quarta-feira, 31 de março de 2010

Triste realidade...


O que você faria se morasse numa bela casa, tivesse uma boa vida e de repente seus familiares enjoassem de você?
E se eles te botassem na rua pelo simples fato de você estar doente?
Gostaria de ser rejeitado, de apanhar, de viver à própria sorte?


Não, eu não estou louca! A foto é sim de um animal não humano deitado junto a uma avenida muito movimentada. Mas ele, assim como você, não acha legal ou divertido ser largado, ele não fica feliz em ser abandonado por ter adoecido e também não adoeceu propositalmente para lhe fazer gastar.
Não está deitado ali porque é divertido ou porque gosta de ver o trânsito.
Ele está ali porque não tem um lar!

Se você não tem capacidade de se doar, de cuidar bem de um animal não humano como pode achar que tem e/ou terá capacidade de cuidar de seus filhos?

Se seu filho ficar doente você irá jogá-lo na rua?
Se sua filha engravidar você vai jogá-la na rua?



Sabe quem fica ao seu lado indepentende de você estar certo ou não, independente de você precisar de uma companhia ou não, independente de você merecer ou não? O animal não humano!

Então não seja tão egoísta, não o abandone!


Amigo não se escolhe por cor ou raça UM VIRA-LATA!




Simone Bispo (voluntária)

segunda-feira, 29 de março de 2010

Questão de coração

Fique atento aos sinais dados por seu animal. Cansaço, apatia, dificuldade de respirar e outros sintomas facilmente confundidos com o resultado do envelhecimento podem significar uma doença cardíaca.

Com o aumento da expectativa de vida dos animais domésticos, formou-se uma grande população idosa de cães e gatos sujeita às complicações inevitáveis causadas pela idade avançada. Entre as patologias que acompanham o envelhecimento, estão as doenças cardíacas e as variações na pressão sanguínea - cada vez mais comuns nos consultórios veterinários. Infelizmente, as cardiopatias não têm cura, nem mesmo podem ser evitadas. Mas, se descobertas a tempo, o tratamento é capaz de evitar consequências mais graves. Os sintomas são discretos: apatia, dificuldade para respirar, cansaço, todos sinais que podem ser interpretados como resultado do envelhecimento. Se os donos não notarem a gravidade da dor do animal cedo, a espera por sintomas mais definitivos pode ser fatal.

Por pouco Tchula escapou das severas consequências de um coração defeituoso. Há algum tempo que a poodle de 13 anos já não era mais a mesma dos tempos de filhote, mas o desânimo sem explicação que acometeu a cachorra recentemente passou a preocupar a família. "A gente pensou que poderia ser cansaço da idade, mas ela parou de comer, e aí não sabíamos se era fraqueza causada pela falta de alimentação", conta a química Camila Pereira, 23 anos, uma das donas da cadelinha. Após várias tentativas frustradas de alimentar a poodle desanimada, sinais mais graves começaram a se manifestar. "Ela ficou com a língua roxa, cambaleando, não dormia nem conseguia respirar. De um dia para o outro, ela ficou assim". Uma visita ao veterinário foi o suficiente para descobrir que a causa de tanto sofrimento era um edema pulmonar - acúmulo de líquido nos pulmões, que fora causado por uma insuficiência cardíaca.

Com a medicação indicada pelo veterinário, foi possível eliminar todo o líquido que dificultava a respiração de Tchula, mas ainda era preciso descobrir o que havia causado o susto. Foi necessária uma bateria de exames, como eletrocardiograma, raios X e exame de sangue, para chegar à conclusão de que o que prejudicava o coração da cachorra era uma endocardiose dimitral - disfunção na válvula cardíaca que pode causar um aumento do órgão ou ter consequências ainda mais sérias.

"Recomendamos uma avaliação cardiológica completa nos animais a partir de seis anos. Mas o que mais define o diagnóstico é a história clínica do paciente, por isso é muito importante que o dono fique atento ao que está acontecendo", alerta o veterinário Leonardo Correa. Os exames recomendados variam desde a simples auscultação do coração ao eletrocardiograma, raios X torácico e ecocardiograma.

Se um desses exames apontar algum tipo de cardiopatia, é fundamental que a família esteja preparada para lidar com a doença para o resto da vida do animal. Como algumas das cardiopatias mais comuns exigem procedimentos complexos e de difícil recuperação, o caminho mais seguro é geralmente o medicamentoso. "Dependendo do caso, os passeios têm de ser mais leves, e a ração deve ser mudada para um tipo prescrito, com vitaminas e pouco sódio", explica Leonardo.

Essa mudança de rotina atingiu toda a família de Max, diagnosticado com uma cardiomiopatia dilatada há cerca de oito meses. No ano passado, acúmulo de líquido na região abdominal e tosse foram o alerta para que Lucia Helena, 51, descobrisse que algo não estava certo com seu animal de estimação. "Ele estava enorme. Como é muito peludo, a gente não percebia", conta a vendedora.

Agora que todos os sintomas foram tratados e Max não apresenta mais dificuldades para respirar, cabe a todos os moradores da casa se manterem alertas para que o cãozinho permaneça saudável.


Cardiopatias mais frequentes

Endocardiose da válvula mitral

» Mais comum nos cães, geralmente atinge a válvula esquerda do coração, causando uma insuficiência cardíaca congestiva - acúmulo de líquidos que aumenta o volume do coração e afeta também os pulmões. Essa doença normalmente atinge cachorros de pequeno porte, como poodles e yorkshires.

Cardiomiopatia dilatada

» Causa o aumento do coração, deixando-o com menos força de contração. O órgão, então, tem de bater mais vezes para mandar a quantidade de sangue necessária ao organismo. Os sintomas mais visíveis são o cansaço e o acúmulo de líquido no abdômen. Os mais atingidos pela cardiomiopatia dilatada são os cachorros.

Cardiomiopatia hipertrófica

» Com o atrofiamento do miocárdio (musculatura do coração), ele fica mais espesso, e o espaço para a passagem do sangue é reduzido, podendo causar arritmias. Essa doença é mais comum em felinos.

Fonte: veterinário Leonardo Correa


Fonte da notícia: Diário de Pernambuco

sexta-feira, 19 de março de 2010

Mutirão

Amanhã estaremos realizando um mutirão de limpeza do abrigo e higinização dos animais.
Aqueles que desejam nos ajudar compareçam às 08:30 na Reitoria da UFPE e de lá iremos para o abrigo.

Para mais informações ligar para Ariene ou Debora.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Senado aprova esterilização de animais‏

Comissão do Senado aprova esterilização de animais

Publicado em 16.03.2010, às 18h53

Projeto aprovado nesta terça-feira (16) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado prevê a esterilização de cães e gatos de rua, capturados pelos centros de zoonoses em todo o País. A ideia é acabar com a prática de extermínio, ainda hoje adotada, segundo entidades de defesa dos animais. A proposta será ainda submetida à Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e, posteriormente, ao plenário da Casa.

Pela proposta, a reprodução dos animais de rua será controlada exclusivamente por meio de esterilização cirúrgica, ficando proibida a prática de quaisquer outros procedimentos. "O projeto é muito importante. Trata-se de uma questão não apenas de bem estar do animal, mas de saúde púbica e ambiental", afirmou a consultora da Sociedade Mundial de Proteção Ambiental, a veterinária Ana Junqueira.

Atualmente, cães e gatos capturados nas ruas de todo o Brasil são exterminados. Resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária recomenda que a execução seja por meio de injeção letal. Mas entidades de defesa dos animais afirmam haver relatos de práticas cruéis, como mortes por meio de câmera de gás e choque elétrico.

O projeto aprovado hoje segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera cara e ineficaz a política de captura e extermínio de animais abandonados, como a adotada pelo Brasil para controle de zoonoses.

O projeto aprovado hoje, de autoria do deputado Affonso Camargo (PSDB-PR), já passou pela Câmara. No Senado, foi relatado pelo senador Wellington Salgado (PMDB-MG). A proposta teve apenas um voto contrário, do senador Eduardo Suplicy (PT-SP).

Fonte: Agência Estado

segunda-feira, 15 de março de 2010

Voluntariado




Compareça!

Juntos podemos fazer muito por aqueles que não podem se defender.

Controle de natalidade de cães e gatos tem apoio de 300 mil brasileiros

Pedido de aprovação do projeto que estabelece a política nacional de controle de natalidade para cães e gatos domésticos recebeu cerca de 300 mil assinaturas de cidadãos brasileiros, em apoio à medida. A informação é do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que leu, na reunião desta terça-feira (9) da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), relatório favorável elaborado pelo senador Wellington Salgado (PMDB-MG).

O projeto (PLC 4/05), de autoria do deputado Affonso Camargo (PSDB-PR), poderá ser votado pela CAE na próxima semana. A proposição não foi votada nesta terça-feira por falta de quorum regimental para deliberação.

Pela proposta, a reprodução desses animais será controlada por meio de esterilização cirúrgica, ficando proibida a prática de outros procedimentos veterinários. Para a execução desse programa de esterilização, deverão ser considerados aspectos como: levantamento das localidades que demandam atendimento prioritário ou emergencial, em função da superpopulação de animais ou de quadro epidemiológico; quantitativo de animais a serem esterilizados por localidade, considerando-se a necessidade de redução da taxa populacional a níveis satisfatórios; e atendimento prioritário aos animais oriundos de comunidades de baixa renda.

Em seu relatório, Wellington Salgado ressaltou que a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera cara e ineficaz a política de captura e extermínio de animais errantes, como a adotada pelo Brasil, para o controle de zoonoses.

Denise Costa / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

terça-feira, 9 de março de 2010

Site no ar!

Nosso site já está no ar!

Lá vocês podem conferir o que é o Projeto Adote Um Vira-lata, ver os animais disponíveis para adoção, entender mais sobre os castração, adoção consciente entre outros.

Não deixem de conferir!!!


www.ufpe.br/adoteumviralata

quinta-feira, 4 de março de 2010

Akita perdido no bairro do Espinheiro.






Na noite da última terça-feira (dia 02/03/10), ao voltar para casa após o passeio noturno com minhas 3 cadelas e 1 cãozinho, encontrei perdido pela minha rua (Rua Alfredo de Castro, rua da Concessionária Ford América) um cão macho da raça AKITA perdido. Ele é dócil e sua pelagem de cor cinza escuro. Consegui abrigá-lo na mesma noite em um galpão que conheço o vigilante. E no dia seguinte levei ele para a Clínica Prontodog de Dra. Cléa.

Segundo alguns vigias que fazem ronda em lojas próxima à minha rua, na noite anterior a esta, apareceu um rapaz procurando por um cão com a descrição muito parecida com a do cão que encontrei. Porém, esse rapaz não deixou nenhum contato ou disse onde reside.

Esse cão tem um dono e estou a procura dele. Quem souber alguma informação, favor entrar em contato com Maria Helena ou com Sra. Helena (minha mãe) nos telefones abaixo.

Res.: 3241.0899

Celular TIM: 9717.1664

Celular OI: 8619.7281

Celular OI: 8794.4827


Atenciosamente,



Maria Helena/Nena

quarta-feira, 3 de março de 2010

Lindos filhotes esperando por um lar






Esses adoráveis filhotes estão esperando um lar cheio de amor e carinho.
Serão todos devidamente castrados e farão a alegria da nova casa...

Faça a diferença... ADOTE!